8 de out de 2015

Descobri que o amor é concreto

Ele é daquele tipo que inspira e pira. Que tira o fôlego e faz a gente perder a noção de tempo e espaço. Tira a paz também, porque quando está longe não sai da cabeça. Ele tem o cheiro que eu gostaria de sentir ao me deitar e as mãos que eu queria ter passeando pelo meu corpo logo de manhã. As palavras que saem daquela boca são como confirmações de que fiz a escolha certa, ele diz o que pensa, mas explica, e a gente acaba acreditando em toda ladainha, porque o jeito que ele fala convence, conquista e excita. E se fala baixinho então, não tem erro. Pior é que sabe do poder que tem, pior é que não deixa de usar, pior é que a gente se vê possuída e acaba implorando por um replay. E aí eu caí, tropecei e vi aqueles braços em volta de mim e tudo que eu queria era mais cinco minutos ali. A gente se olhou e eu me vi dando corda pra aquele cara lindo. E se eu disser que me arrependo você pode xingar e jogar na minha cara que estou mentindo, porque não dá pra se arrepender de alguém que te faz voar e ao mesmo tempo te dá chão. Com ele é assim, até o amor é palpável. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário