31 de ago de 2015

Só desejo felicidades

Não faltou respeito. Não faltou carinho. Não faltou amor. Você e eu sabemos muito bem disso. Foi de verdade. Foi intenso. Foi especial. Com você vivi momentos que levarei sempre comigo. O nosso primeiro beijo. Nós dois deitados no sofá da sala. Aquele nascer do sol. Aquele sorriso que me fazia flutuar. Todas as vezes que você me segurou quando o meu mundo ameaçava desabar. Isso tudo não se apaga. Você faz e sempre fará parte do meu álbum de lembranças. Deus sabe o quanto eu queria que desse certo. O quanto eu me dediquei. O quanto fiz de tudo para que nunca mais saíssemos um da vida do outro. Por tantas vezes eu engoli o meu orgulho. Por tantas vezes eu dormi chorando e tive que acordar sorrindo. E eu via que você se esforçava também. Do seu jeito meio torto, mas se esforçava. Até que me dei conta que estávamos nos matando pouco a pouco. Quando percebi que os nossos momentos de tristeza começaram a superar os de alegria. Chegamos a um ponto em que o nosso relacionamento era um misto de quase tudo, menos amor. Uma combinação de sentimento de posse, comodismo, insegurança e ciúmes. E nós queríamos acreditar que aquele monte de cinzas ainda era uma bela fogueira. Não era. Foi um dia. Um das mais belas que já vi. Quente e brilhosa. Mas, apagou. Acabou. É tão difícil aceitar quando um sentimento termina. A verdade é que eu cansei de sentir solidão a dois. Cansei de me prender a algo que não existia mais. E você se cansou também. Eu disse que iria partir e você não fez força alguma para evitar. Já não tínhamos mais essa força. Era como se estivéssemos algemados um ao outro, com as chaves dentro dos próprios bolsos. Por muito tempo eu alimentei raiva pelos seus erros. Por muito tempo quis fingir que só você tinha errado. Hoje assumo a minha parcela de culpa. Mas, quer saber? A vida tem dessas coisas. Todos os relacionamentos, de uma forma ou de outra, chegam ao fim. Talvez, se você tiver sorte, um deles pode durar por um longo tempo, mas acabará também. Não há nada nessa estrada que não seja transitório. Hoje, eu não quero você de volta. Não quero outro amor igual ao nosso. Eu quero viver algo novo. Novas pessoas, novos lugares, um recomeço. Um relacionamento é um contrato de risco que pode ser quebrado, a qualquer momento, por qualquer uma das partes. A saudade fica como multa pelo rompimento. Ainda bem que chegamos a um acordo. Desejo que você seja tão feliz quanto já me fez ser um dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário