31 de ago de 2016

Como eu te amei

Como eu te amei, meu Deus. Nas tardes quentes em que a gente passava horas com o ventilador na cara e só os dedos entrelaçados, e nas noites frias, quando eu te pedia mais um cobertor e no meio da noite você o encontrava no chão do quarto. No seu melhor dia, em que mostrava que me amava só de olhar e no seu pior, quando o silêncio consumia cada espaço do quarto vazio, mas cheio de nós dois. Te amei quando você revirava os olhos e ignorava tudo que eu dizia e quando me sussurrava besteiras no ouvido, quando me chamava por qualquer apelido bobo e dizia que eu não era aquilo tudo. Talvez eu não fosse mesmo, e por isso a gente não deu muito certo. Lembra quando tudo parecia terrivelmente lindo e nós dois parecíamos ter saído de algum livro adolescente? Eu me sentia bonita quando o vento batia nos meus cabelos lá do alto daquela montanha, onde tudo que eu enxergava tinha a nossa cara. Como eu te amei naqueles dias em que a gente andava sem rumo debaixo de um sol de rachar e falava da vida, das pessoas, dos sonhos, dos aviões, dos filmes, das músicas, dos homens, dos deuses e falava de tanto mais que acabava não falando nada com nada e não tinha problema porque a importância da coisa era só trocar frases longas e reafirmar imensidões nas entrelinhas. Quando você enrolou a língua e me ensinou a tomar aquele Whisky ruim e até quando me contou as histórias do livro daquele autor famoso que eu não gosto. Como eu te amei quando você citou aquela letra do Caetano que hoje me parece a maior estupidez e a maior verdade de todas. Eu me lembro de você com o ombro encostado na porta do carro e caindo na real que a gente foi feito pra acabar. Eu chorei depois, parada no sinal, debaixo do chuveiro, com a cara no travesseiro e tô chorando agora, porque realmente tudo tem um fim, isso só não quer dizer que eu vou me esquecer. Isso não quer dizer que o tempo vai curar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário