13 de fev de 2016

É hora de ir embora

Talvez fosse a hora de dizer adeus. Talvez nosso relacionamento houvesse, de fato, atingido o “limite”. Talvez não pudéssemos mais fazer nada pra salvar o que havia sobrado do nosso amor. Mas mesmo assim, eu tentei. Eu não me entreguei tão fácil quanto você. Meu amor resistiu até o último minuto, até o último segundo. Mas não adiantou muito. Porque enquanto você pensava em fazer as malas pra ir embora, eu pensava em fazer as minhas também, mas pra viajar contigo, passar um tempo a sós, longe de tudo, pra tentar consertar o que, aparentemente, era impossível. Esgotei todas as minhas forças, tentei o possível e o impossível. E mesmo assim era visível a sua falta de vontade. Cumplicidade? Nem sabia o que era isso quando estava contigo. Por muitas vezes, amei sozinho. E quando eu finalmente me dei conta de que estava fazendo papel de idiota, quando eu finalmente decidi seguir em frente, foi aí que você tentou alguma coisa, foi aí que você tentou me convencer de que ainda valia a pena. Tudo porque você percebeu que eu realmente não estava de brincadeira. Mas eu não pude ficar. Não valia a pena. Não mais. Meus olhos finalmente estavam abertos e eu pude enxergar tudo. Nós não funcionávamos juntos e nem iríamos, nunca. Já era tarde demais pra nós, aliás, sempre foi. Não era pra ser amor, mas nós insistimos. Não era pra ser, mas nós queríamos. Com o coração machucado e a cabeça confusa, em meio a tanta bagunça, estávamos chegando ao fim de algo que nem mesmo deveria ter começado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário